…e não levar gato por lebre…

Para começo de conversa: o que é infovis (visualização de informação)

Infovis é uma abreviação de Information Visualization, ou seja, Visualização da Informação.

Uma vez que o Excel é usado por praticamente todas as empresas – mais de 92% segundo pesquisa da FGV (http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesqti-gvcia2014ppt.pdf) é de se supor que ele também seja usado para se visualizar informações.

Existem centenas (se bobear, milhares) de formas de se apresentar uma informação.

Imagine que queiramos demonstrar exatamente a informação de que 92% das empresas usam o Excel como planilha eletrônica. Ora, acabei de mostrar uma delas: escrevendo.

Poderia fazer um gráfico de pizza, um gráfico de barras, uma ilustração de 92% de um computador, montar um quadro com 10 círculos coloridos e pintar 9 deles, etc.

Enquanto profissionais de empresas, muitos apresentam informações numéricas de algum tipo, e para se chegar a este número a ferramenta usada é o Excel.

Desta forma, o caminho natural é usar esta mesma ferramenta para se mostrar a informação final.

Então você faz as contas, importa os dados e finalmente monta no próprio Excel seu relatório/dashboard, que é a peça final da Visualização. São os componentes deste Relatório que serão visualizados para a tomada de decisões.

Saiba o que é MEIO e o que é FIM

Claro que nem todos usarão o Excel, talvez você use algum sistema de BI, pode acontecer. Mas mesmo assim precisa conhecer infovis, porque o Excel é apenas o MEIO que usamos para mostrar as informações.

Nos meus mais de 17 anos ministrando treinamentos para profissionais das mais variadas empresas tenho notado que falta a muitos a real percepção de que o Excel NÃO é fim. Ele é apenas uma ferramenta para te fazer chegar a algum lugar.

Se é MEIO, não podemos ficar presos a ele e devemos nos preocupar mais com o FIM. E se ele for algo como ‘ajudar alguém a tomar decisão (ou decisões) através da leitura de informações predominantemente numéricas’ então não adianta apenas saber manipular a ferramenta.

É preciso saber o conceito do que se quer fazer para que, ao se manipular a ferramenta, você saiba o que está fazendo.

Se alguém vai tomar uma ou mais decisões olhando meu relatório / dashboard (ou o nome que você quiser dar) então será que saber usar procv, tabela dinâmica, somases, será suficiente?

Se não sabe a resposta, você aceitaria ser operado por alguém que soubesse apenas segurar um bisturi e fazer o movimento de corte?

Será que saber usar calculadora HP te faz conhecer matemática financeira? Hum… (sei matemática financeira, mas não lembro mais como usar HP, só Excel).

“Curso de Dashboard”. Será mesmo?

Tenho visto muitos, mas muitos cursos (sic) se aproveitando de uma palavra bonita, pomposa: CURSO DE DASHBOARDS NO EXCEL.

Quando eu criei este curso aqui no Brasil, em 2008, muitos sequer sabiam escrever isto…

Lembra que comentei há pouco sobre conceito e ferramenta?

Os tais “Curso de Dashboards” que tenho visto não ensinam conceito. Só te ensinam a usar a ferramenta (ainda quer ser operado pelo conhecedor de bisturis?).

A visualização de informação não é ensinada.

Porque o curso NÃO É DE DASHBOARD. É de Excel.

Esse curso até mostra algumas ferramentas que podem ser usadas para se fazer Dashboards (e nem todas!). Mas não te ensina a fazer um, simplesmente porque não existe o interesse de se ensinar o conceito (um exemplo é a regra do ‘sete mais ou menos dois’, relacionado à memória de curto prazo e que foi descoberta na década de 60 e que só é apresentada em meu curso).

Fico me perguntando o porquê disso, porque tenho alunos que fizeram esses cursos (sic), não gostaram e foram atrás do meu. Eles me comentam que o que mostro não tem nada a ver com o que viram, que é tudo diferente, e me questionam como é que duas coisas com o mesmo nome podem ser tão distintas.

Um dos motivos eu sei: para se ensinar visualização você precisa ter feito muitas. E precisa ter estudado muito. A outra dá para de$confiar…

Tenho estudado isto desde antes de lançar meu 1º curso, lá em 2008. E ainda hoje vejo novidades, porque Infovis tem a ver com cognição, e cognição tem a ver com cérebro. Como somente agora estamos começando a entender melhor o funcionamento dele, sempre há algo de novo aparecendo.

Um exemplo: ouvimos histórias desde criança e histórias são contadas desde séculos atrás. Mas somente há poucos anos ‘descobriu-se’ e ‘fundamentou-se’ a técnica para que este método possa ser usado para se transmitir informação – e vender (a Coca-Cola tem um vice-presidente de storytelling que é como isso se chama).

Então você precisa pesquisar o que é novo, depois ver se dá para fazer no Excel, em seguida tenta fazer no Excel, depois vê se funciona em algum cliente e só depois de tudo isso começa a aplicar em um curso e ensinar as demais pessoas.

Não dá para aceitar que alguém vai te ensinar a fazer um gráfico 3D com 5 cores diferentes. Seria pedir para um advogado ensinar a operar um cérebro. Mesmo que o curso custe 200 reais, porque além de perder tempo você vai aprender errado.

Voltando aos porquês

Voltando aos ‘porquês’, como hoje muitos profissionais procuram saber exatamente o que significa Dashboard, acabam caindo nos cursos de Excel ‘mascarados’, e saem de lá achando que o que aprenderam é Visualização de Informação e que sabem fazer Dashboards.

Então, se você:

 

  • Não sabe que gráfico usar;
  • Não sabe quando fazer gráfico e quando fazer uma tabela;
  • Não sabe quando usar semáforos;
  • Não sabe o que é e nem como usar heat maps;
  • Não sabe que cores usar;
  • Não sabe porque TEM QUE ser em uma página;
  • Não sabe porque TEM QUE ser em formato paisagem;
  • Não sabe porque não se usa gráfico 3D;
  • Não sabe como distribuir uma informação em um Dashboard;
  • Não sabe aplicar os 5W2H antes de fazer um Dashboard,

 

Então esta é a prova de que conhecer infovis é importante, porque ela responde a essas questões.

Como me disse um aluno quando me passou um feedback sobre o curso “agora na empresa todos sabem que eu sou a pessoa que faz relatório que todo mundo entende”.

Uma coisa garanto: é mais simples do que aparenta ser. Só precisamos voltar ao bom e velho “menos é mais”.

Check list para saber se vão te ensinar infovis no curso de dashboards

 

Da próxima vez que for procurar um curso de Dashboard ou Relatórios Gerenciais siga este check list:

  • Veja se o temário tem referência a conceitos (não é garantia, já vi temário dizendo ensinar A e quando me mostraram a planilha que criaram, tinham ensinado B – que era o contrário do A);
  • Descubra o nome do instrutor (tem lugares onde não informam o nome do instrutor porque usam o professor disponível, como se fosse possível um tema especializado deste ser apresentado pelo ‘da vez’);
  • Peça o CV do instrutor e veja se ele tem experiência consistente (tem professor de informática e até de filosofia dando aula de Dashboards – conhecer word, powerpoint, windows, linux, excel, .net, etc, não me parece ser algo ‘especializado’);
  • Pegue uma, duas frases do temário e cole no Google. Veja se o temário não foi copiado de outro curso (digo isso porque já copiaram curso meu…);
  • Na dúvida, peça um printscreen da tela que ele ensina a fazer no curso e veja se está mais para alegoria de Carnaval do que Dashboard. Veja se não tem nele nenhum velocímetro, gráfico de pizza com mais de 2 fatias e/ou gráficos 3D.

Com esse check list básico você evitará surpresas e a compra de gato por lebre.

Seu tempo é valioso demais, sua carreira não pode ser posta em risco por aprender alguma coisa que seja tecnicamente incorreta. E nem falo do valor financeiro do investimento.

 

escolhendo um curso de dashboard excel

material originalmente publicado pela Viewsion

definitivo_logo_peq.png

 

 

 

Comentários
Fabio Vianna
Siga-Me

Fabio Vianna

Modela planilhas deste 1994 e ministra treinamentos desde 1997.
Especialista em Modelagem Profissional de Planilhas, incluindo Dashboards no Excel.
Fabio Vianna
Siga-Me

Últimos posts por Fabio Vianna (exibir todos)

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE